29 outubro 2005

Governo guineense cai

"Nino" Vieira demorou 28 dias mas concretizou.
Por decreto presidencial, o presidente "Nino" Veira decidiu demitir o governo de Carlos Gomes Júnior, concretizando os anseios dos seus gravitacionais e aduladores políticos.
E como um mal nunca vem só, os militares já estão nas ruas a "protegerem" os principais edifícios de Bissau. Como em tempos escrevi no seu discurso de tomada de posse, "Nino" terá - e fê-lo - esquecido de muitos, mas não dos militares.
Ou seja, e como muito bem refere Orlando Castro na rubricaAlto Hama, Nino acaba de levar a efeito um golpe ditatorial para sustento de uma meia dúzia de parasitas que, desde o início e, mais claramente, na segunda volta não calaram que seria essa a sua vontade: destruir um governo - minoritário é certo - mas democraticamente eleito.
Ora vamos lá a ver que se seguirá; e qual o destino dos governantes guineenses, entretanto demitidos. E aqui tomo a liberdade de "roubar" esta palavras citadas por Fernando Casimiro "Nós queremos que tudo quanto conquistarmos nesta luta pertença ao nosso povo e temos que fazer o máximo para criar uma tal organização que mesmo que alguns de nós queiram desviar as conquistas da luta para os seus interesses, o nosso povo não deixe. Isso é muito importante."
Cabe ao povo guineense, o principal perdedor, controlar e não deixar que o poder caia nas ruas da amargura.
Que o povo guineense não deixe a "tríada" levar por diante a sua vontade.
Que a Comunidade internacional nõ deixe cair a Guiné-Bissau.
Enquanto isso, o povo vai vivendo na miséria.
Enquanto isso a Guiné-Bissau vai se afundando.
Até quando? E onde está a CPLP? e a União Africana? E a CEDEAO?
Ah! ainda estão a descansar...

2 comentários:

Anónimo disse...

Caro Almeida,

Como estou tão de acordo consigo. As suas palavras podiam ser subscritas na íntrega por mim. Alás eu já prevera isto, quando em comentário anterior dizia que os djadudis estavam à espreita. Ainda pensei que esperassem por Novembro. Nem isso.

Nino já pode começar a pagar a sua dívida. Para já o primeiro contemplado pode ser o Sr. Fadul!

O ideólogo da Junta Miltar, o "implacável" adversário que virou amigo de última hora porque o sabor do poder é irresistível.

Falta agora alterar a constituição e criar o lugar de Vice-Presidente para contemplar o Kumba.

Que grande visão teve o nosso amigo autor da "Tríade".

E assim caminha a nossa pobre Guiné, de golpe em golpe até ao colapso final!

Tuga Mané

IO disse...

Depois daquele teu recente post sobre Carlos Gomes, não fiquei nada surpresa pelo Nino não o querer por perto... - puxa, que o azar não te abandona, Guiné!..., abraço, IO.