26 janeiro 2006

E agora Palestina?

(capa do livro "Fundamentalismo Islâmico, A Ideologia e o Estado)
A vitória do Hamas na Palestina irá, quase de certeza, provocar a ruptura e o enterro definitivo do Roteiro para a Paz e a clara separação das águas na região.
A confirmar-se a vitória nos números – maioria absoluta – que os analistas e as sondagens – uma vez mais as sondagens iniciais saíram claramente derrotadas – é líquido aceitarmos que os palestinianos, declaradamente, não desejam a companhia dos israelitas na sagrada e sacrificada Terra da Conflitualidade.
É a derrota dos moderados; a derrota dos trabalhistas, em Israel, e da linha moderada da Fatah; não esquecer que alguns dos seus principais dirigentes, os mais radicais, decidiram candidatar-se como independentes em clara oposição à linha oficial de consenso levada a efeito pela Autoridade Palestiniana – que entretanto já se demitiu – e pelo primeiro-ministro Ehud Olmert.
Por contraponto, é a vitória do radicalismo; do radicalismo palestiniano – e aqui gostaria, e passe a publicidade, remeter para o ensaio que fiz publicar em 2003, “Fundamentalismo Islâmico, A Ideologia e o Estado” – e do ultra-conservadorismo israelita do Likud.
Outra verdade importante na vitória do Hamas prende-se com o facto de, inequivocamente, ir condicionar a vida política futura de Israel. Provavelmente o Kadima, actualmente quase que só no poder irá reafirmar a separação física dos dois Estados e preparar, em definitivo, os israelitas para o Estado independente da Palestina.
E o Hamas, irá, agora que vai para o poder, aceitar o Estado que sempre rejeitou?
Esta posição irá condicionar não só a vida dos dois Estados, enquanto vizinhos, mas, declaradamente, as eleições israelitas de Março próximo.
Os próximos desenvolvimentos irão formular, e em definitivo, o rumo dos acontecimentos no Médio Oriente.
O Irão e a Síria, reconhecidos como dois dos principais apoiantes e financiadores do Hamas, vão estar em alerta máximo. Não tenhamos a mínima dúvida.

1 comentário:

IO disse...

Pronto, já me estragaste a poesia toda!... tu não vás ao chuinga, esta noite, que me chamas ingénua e ignorante lol - abraço, IO