10 agosto 2009

Hillary Clinton em Angola para…?

(foto ANGOP)

"A Secretária de Estado (similar ao Ministro das Relações Exteriores) Hillary Clinton, no périplo que está a fazer por África, esteve em Angola (depois do Quénia e da África do Sul visitará ainda a R. D. Congo e Cabo Verde) onde acordou alguns acordos, por certo, e onde deixou algumas dardejou quer para o Governo, quer para a oposição, ou seja, como alguém muito bem escreveu, arriou “uma no cravo e duas outras na ferradura”.

A senhora Clinton, recebida no 4 de Fevereiro – que segundo me disseram já acabou de reformular a sua gare internacional – pelo Ministro das Relações Exteriores, o embaixador Assumpção dos Anjos, manteve vários contactos a nível de Estado, nomeadamente com o pelo ministro dos Petróleos, Botelho de Vasconcelos, com o presidente da Assembleia Nacional, Fernando Piedade dos Santos, e com o Chefe de Estado, Eduardo dos Santos.

De acordo com as notícias de Luanda, a visita terá sido politicamente – e economicamente, ou não saísse de Angola 7% do crude consumido nos States – muito proveitosa.

Economicamente porque as principais empresas petrolíferas que operam em Angola, são norte-americanas e ainda há uns dias anunciaram a descoberta de crude de altíssima qualidade, o que não acontece com o crude que, actualmente, é explorado em Angola. Como se sabe, o crude angolano é de qualidade semi-dura, ou seja, intermédia e de cotação própria, isto é, não se enquadra nem no do mercado Brent nem do de New York. Por outro lado houve assinatura de acordos/memorandos para ajudar a agricultura angolana que, recordou, deve ser revitalizada dado, em tempos, ter sido, no passado, “
um sector económico vital, produtor, que proporcionou muitos empregos, e sector que foi destruído pela guerra, mas que no futuro se pode tornar um motor económico importante”.

É bom, porque assim, talvez, deixemos de explorar primordialmente a soja, como algumas inteligências preconizavam para fazer face às necessidades chinesas e brasileiras – actualmente, e cada vez mais, dois dos nossos principais parceiros económicos –, nem nos especializarmos em agricultura biotecnológica, ou seja, para reconverter em combustíveis. As terras angolanas são demasiado ricas para servirem quase somente monoculturas e, a maioria, para exportação.

Mas se economicamente os benefícios podem ser muitos, politicamente nem por isso algumas farpas foram deixadas na mala diplomática da senhora Clinton.

Uma das vontades dos angolanos, nomeadamente, dos activistas de direitos humanos e da oposição, por que tanto reclamaram parecem terem chegado aos ouvidos da secretária de Estado norte-americana. (...)
" (continuar a ler aqui ou aqui)
Publicado na secção de "Colunistas" do , de hoje

1 comentário:

rouxinol de Bernardim disse...

Será que vai pedir menos corrupção e mais direitos humanos?

Ou tão somente: mais negócios?