03 abril 2006

Senghor, o centenário do nascimento

A 20 de Março decorreram as Jornadas Internacionais da Francofonia.
Era minha intenção alertar para este facto em contra-ponto àquilo que se faz – ou não e faz – quanto à Lusofonia.
Uma das razões prendia-se com o facto de um dos maiores defensores da Francofonia ser, também ele, um dos criadores da Negritude, corrente mais tarde adoptada por muitos dos intelectuais e políticos africanos: Leopold Ségar Senghor (1906-2001), Poeta, Ensaísta e Homem de Estado estar a comemorar o centenário do nascimento.
Havia também o facto da proximidade do Dia Mundial da Poesia. Todavia, nem por esse facto, a data deixou de ser indesculpavelmente, esquecida. Mas como vale mais tarde que nunca e porque em Angola está a decorrer a Feira do livro infantil – comemorou-se ontem o Dia Mundial – e em Maio vai decorrer a Feira do Livro e do Disco da CPLP, aproveito para vos deixar aqui um poema de Senghor na versão francesa (da obra "Oeuvres Poétiques", ed. Le soleil) e na versão portuguesa de Guilherme de Souza Castro:

Femme noire
Femme nue, femme noire
Vétue de ta couleur qui est vie, de ta forme qui est beauté
J'ai grandi à ton ombre; la douceur de tes mains bandait mes yeux
Et voilà qu'au coeur de l'Eté et de Midi,
Je te découvre, Terre promise, du haut d'un haut col calciné
Et ta beauté me foudroie en plein coeur, comme l'éclair d'un aigle
Femme nue, femme obscure
Fruit mûr à la chair ferme, sombres extases du vin noir, bouche qui fais
lyrique ma bouche
Savane aux horizons purs, savane qui frémis aux caresses ferventes du
Vent d'Est
Tamtam sculpté, tamtam tendu qui gronde sous les doigts du vainqueur
Ta voix grave de contralto est le chant spirituel de l'Aimée
Femme noire, femme obscure
Huile que ne ride nul souffle, huile calme aux flancs de l'athlète, aux
flancs des princes du Mali
Gazelle aux attaches célestes, les perles sont étoiles sur la nuit de ta
peau.
Délices des jeux de l'Esprit, les reflets de l'or ronge ta peau qui se moire
A l'ombre de ta chevelure, s'éclaire mon angoisse aux soleils prochains
de tes yeux.
Femme nue, femme noire
Je chante ta beauté qui passe, forme que je fixe dans l'Eternel
Avant que le destin jaloux ne te réduise en cendres pour nourrir les
racines de la vie.

Mulher Negra
Mulher nua, mulher negra
Vestida de tua cor que é vida, de tua forma que é beleza!
Cresci à tua sombra; a doçura de tuas mãos acariciou os meus olhos
E eis que, no auge do verão, em pleno Sul, eu te descubro,
Terra prometida, do cimo de alto desfiladeiro calcinado,
E tua beleza me atinge em pleno coração, como o golpe certeiro
de uma águia.
Fêmea nua, fêmea escura.
Fruto sazonado de carne vigorosa, êxtase escuro de vinho negro,
boca que faz lírica a minha boca
savana de horizontes puros, savana que freme com
as carícias ardentes do vento Leste.
Tam-tam escultural, tenso tambor que murmura sob os dedos
do vencedor
Tua voz grave de contralto é o canto espiritual da Amada.
Fêmea nua, fêmea negra,
Lençol de óleo que nenhum sopro enruga, óleo calmo nos flancos do atleta,
nos flancos dos príncipes do Mali.
Gazela de adornos celestes, as pérolas são estrelas sobre
a noite da tua pele.
Delícia do espírito, as cintilações de ouro sobre tua pele que ondula
à sombra de tua cabeleira. Dissipa-se minha angústia,
ante o sol dos teus olhos.
Mulher nua, fêmea negra,
Eu te canto a beleza passageira para fixá-la eternamente,
antes que o zelo do destino te reduza a cinzas para
alimentar as raízes da vida.

1 comentário:

planaltobie disse...

Senghor gostava de Portugal. Senghor queria dizer senhor... era senhor!