20 março 2006

Iraque, 3 anos depois valeu a pena?

Três anos após do início da segunda guerra do Iraque...
em que, e até agora, cerca de 100.000 pessoas, 1/3 das quais – números não oficiais – militares da coligação, terá morrido;
terá permitido ao Irão reforçar exponencialmente a sua capacidade política-militar – a crise nuclear é o caso mais paradigmático – e religiosa – isto apesar dos árabes não gostarem, nem um pouco, dos persas – na região;
os tristes escândalos com as prisões de Abu Grahib e Guantanamo ou das hipotéticas prisões secretas da CIA que minaram a credibilidade cívica dos libertadores;
onde a emergência de uma guerra-civil (dita guerra menor) intra-muros, entre xiitas e sunitas que se digladiam sanguinolentamente pela supremacia político-religiosa dos ritos a que pertencem;
é difícil escamotear a contínua instabilidade social na região, nomeadamente, na Palestina;
não se vislumbra a destruição da horrenda Medusa que dá pelo nome de Bin Laden ou Al-Qaeda;
um governo iraquiano foi constituído após as eleições mas não consegue governar – também não se abe quem manda no Iraque, se os iraquianos ou o representante do senhor George W. Bush, hoje tão cruamente insultado – quem o fez assume que o sabe pessoalmente – por outro candidato latino-americano a ditador
são cada vez mais credíveis as mentiras ou menos-verdades, agora também “denunciadas” por Durão Barroso – por acaso um das 4 personalidades dos Açores –, numa recente entrevista a um periódico francês quando admitiu que a invasão foi feita sobre enganos;
que permitiu a destituição de um genocida ditadorzeco, apeado do poder por aqueles que, em tempos, o tiveram por aliado;
será que valeu mesmo a pena? Eu gostava de acreditar que sim…

1 comentário:

IO disse...

Para já, e tantos mortos 'por engano' depois da mentira que sustentou a invasão, a fotografia do Iraque hoje é horrível... - abraço, IO.