05 maio 2006

Os midas actuais...

© Editora Abril Ltda.

De acordo com o sítio “Globo.com” da rede Globo, e citando a revista “Forbes”, há uma pessoa que consegue ser mais rico que a rainha do Reino Unido e que vive numa ilha quase isolada do Mundo excepto para os 3 PAI’s ( a Liga dos Presidentes Anti-imperialistas): Morales, Chavez e… esse mesmo, Castro.
Pois, segundo a tal revista “Forbes” que analisa os mais “mais ricos do Mundo” a fortuna de Fidel Castro, anteriormente avaliada em 550 milhões de USD passou para 900 milhões de USD. Só pode ser vozes da reacção porque Fidel até diz que o seu valor é “zero”; e eu acredito… anda sempre com a mesma roupa. Eles devem estar enganados. Não será antes mas do seu irmão que por acaso também é Castro (e ainda por cima Orlando, como um dos grandes jornalistas da Lusofonia) e surge sempre nos “alertas” do Google, ao contrário deste.
Senão como Saramago poderia gostar de visitar Cuba e o seu amigo Fidel como o faz periodicamente.
Não!!! só pode ser engano…
Mas, atenção. Castro desta vez tem um colega de peso. O senhor Teodoro Nguema Mbasogo, presidente da observadora da CPLP, Guiné-Equatorial, passou a fazer parte, e pela primeira vez, da referida lista com uma fortuna avaliada em 600 milhões de USD !!!! (logo de entrada não está mal, apesar do país ter caído no ranking de desenvolvimento da ONU) e à frente da rainha Isabel II que só arrecadou 500 milhões de USD; é obra…

2 comentários:

MN disse...

Apetecia-me fazer um comentário muito impróprio para qualificar os hipócritas que são estes políticos. A lista está incompleta… faltam mais alguns nomes de lideres políticos que governam países cuja população falece todos os dias por falta de cuidados médicos ou doenças próprias de países de III Mundo. Apenas não figuram na “Forbes” porque o critério da “Forbes” é “individual” e não “familiar”. Existem pessoas com fortunas descomunais mas têm a esperteza de as colocarem em nome de parentes próximos, de fundações, etc.

Anónimo disse...

Algo com que concordo em absoluto. e, infelizmente, não são uma ou poucas mais, mas inúmeras pessoas nesse fim. E não é só no IV ou III Mundos mas também no Paíse de Desenvolvimento Médio e nos mais desenvolvidos, ou pretebsamente.
Um abraço
Eugénio Almeida